Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2012

Tchai

E mais uma vez, foi Tchaikovsky quem  me salvou. Procurei em teus olhos um abrigo, contudo, você fugiu! Eu que pensei em ter você eternamente, descobri, que a eternidade é uma ilusão. Aquela sinfonia de Bach me entristeceu, e aquele perverso niilismo tomou conta de mim. Eu que costumava cantar o amor. Percebi que o mesmo, entristece as pessoas, machuca, empobrece, e por vezes, nos lança num marasmo sem fim.
A confusão que esse sentimento egoísta causou-me, me levou a crer que eu não sabia do amor.
A confusão me fez odiar Shakespeare, eu vi que aquilo não era amor.
Shakespeare enganou-me a adolescência inteira.
Mas conheci Tchai, um homem confuso, viveu sem amores.
E os rumores levaram sua vida...
Mas antes de ir, ele me salvou.
Deixou seu concerto in D Major for violin and orchestra.
Tchai me mostrou que o amor pode ser vivido na música.