Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2015

Talvez a noia esteja em você!

Ela nasceu. Seus pais a criaram. Teve "sorte" de ter tido pai e mãe. Ela foi consagrada em um altar que não lhe pertencia. Ela adorou um deus que não sentia, resultando em uma tentativa fracassada de doutrinação. Ela andou subvertendo os princípios morais tão comum à sua família.
O que ninguém sabe, é que ela não concebeu nada disso, na verdade, isso não faz sentido algum. O natural para ela não é a ordem que está imposta.  Olhar a vida sem interesse num pós vida. Fazer amizades por interesse, e mantê-las por amor, respeito e companheirismo. Ela não é dada a esses padrões. Muito menos as aparências, relacionamentos superficiais, nunca foi seu "forte". 
Talvez ela sofra, por não ser flexível diante do opressivo. Talvez ela se arrependa de ter sido tão visceral. Afinal, ser "polida", gentil e dócil, foi lhe ensinado de maneira bastante contundente e didática. Se começasse a se rotular e aceitar os padrões convencionais impostos a mulher, seria feliz.
Pode ser que o pai de…

Novembro de cão (dias de cão)

Novembro começou assim...
Sem me dizer nada!
Um sorriso sereno foi descansar os ares em outro território, voltou de olhos fechados.
Doeu o peito, embargou a voz, silenciou o riso e entristeceu o mês.
...
Levanta da cama devido ao barulho.
Corre ao banheiro alivia a bexiga.
Toma um café sem acúçar, pra sentir o amargor da fruta.
Se delicia com lembranças de um beijo cafeinado de outrora.
Lava a alma com cloro.
Sobe em uma lata que corre na pista.
Encontra um sorriso, uma pele com cheiro de amor.
Faz uma 'breve longa' viagem.
Desce do ônibus, sorrisos desfeitos.
Nem comida tem mais!
Novembro é o mês do caos,  é o mês do cão.
Uma conversa à toa é um sorriso que vai sem permissão.
Corre pra cá, volta pra lá, e descobre uma refeição, enfim.
Tenta nutrir, o corpo sarar...
Enquanto no chão, um corpo a sangrar.
É triste essa dor, a dor do pensamento, nos torna cruéis.
Em momentos de tristeza, queremos a justa vingança.
De quem é a culpa?
Não sei.
Mais um corpo caí…