Pular para o conteúdo principal

Um corpo sem espírito é sinônimo de feiura

Sempre ocorrerão aquelas situações que nos fazem refletir sobre algo.
Eu sou Aline, tenho 24 anos, meu mapa astral diz que sou pisciana com ascendência em Áries e lua em Capricórnio - nem sei o que isso quer dizer ao certo -, sou estudante de filosofia em uma universidade pública, moro com meus pais, tenho uma namorada há mais dois anos - que por sinal amo em demasia-, sou apaixonada por música, literatura, cultura africana, russa, italiana, essa última, sobretudo, é por causa da comida - adoro massas.
Além disso, sou gorda, e isso que me fez refleti sobre as pessoas e os padrões estéticos. 
Alguém me chamaria de louca se eu dissesse que cabelo liso é sem graça? Jogariam pedra em mim se dissesse que mulher com muito peito e bunda, coxas torneadas e barriga "negativa", não são atraentes para mim?  Afinal, me apaixonei por uma mulher "franzina"*, que supera em beleza qualquer "panicat". A propósito, o que é beleza? O que querem dizer quando dizem que pessoa X é bela? 
Esse tal padrão de beleza ainda está ligado àquele padrão no qual mulheres belas tem "traços finos" pele alva, cabelos lisos preso em um elaborado penteado?  
- Desculpem-me, ainda estamos no século XIX?  
Já chegaram à lua e ainda não conseguem enxergar a beleza onde ela está, de fato? 
A humanidade anda a passos lentos em direção a democracia estética. Percebo beleza como algo espiritual...
Já ia esquecendo... Beleza é uma obrigação feminina? Homens precisam estar em um padrão estético?  
Ora, que bagunça é essa? Estamos colocando todas e todos em caixinhas? Precisa-se mesmo "discutir" beleza quando não solucionamos ainda os problemas da violência e da miséria humana? 
Talvez... 
Não se sabe ao certo. 
Pois bem, digo a vós que a beleza está tão longe, tão longe, que nem com binóculos conseguiremos enxergá-la.

*franzina é utilizada no sentido de pequena.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma doce narrativa ofertada a mim

Aprendi com a doce e paciente voz da minha mãe - ao ler ao pé do meu ouvido, enquanto eu me enfronhava no quase adormecer e na atenção dada ao som da narrativa - que os contos, as poesias, as estórias são importantes para a imaginação. Sim! E como eram! Hoje, acredito que seja por isso que eu não gostava de contos de princesas ou qualquer narrativa que começavam com: Era uma vez, mesmo sendo uma criança, sem maturidade para consolidar um juízo de valor ou de gosto, eu acreditava que a estória era óbvia, que já teria um início, meio e fim, mesmo com esse: e assim foram felizes para sempre. Eu não me contentava, não me satisfazia, queria ir além daquelas linhas, queria ir além da voz da minha mãe, mesmo que seu olhar me acalentasse dizendo: "a estória acaba aqui e eles foram felizes, isso é o que importa".
Cresci, refutei, sonhei, imaginei... E a expectativa sobre o óbvio? Sobre o destino de ser feliz? Isso continuava a me perturbar, eu me sentia como uma navalha que deveria se…

Eu costumava sorrir em dias de sol

Sempre achei que aos 25 eu estaria morando na minha casa, vivendo do meu trabalho. Porém, a gente se engana na vida. Eu fracassei, é a sentença que ecoa em minha mente. A sociedade cobra muito da gente, e nosso meio familiar e social está inclinado a fazer essa cobrança. Contudo a conta é muito alta e o saldo é sempre inferior ao débito. Eu vivo sendo cobrada por todos. Ninguém está insento de me fazer tal cobrança, muitas vezes é tão espontâneo que eles e elas nem percebem. Os dias vão se arrastando e depois de ser tão questionada vou desenvolvendo monstros dentro de mim que a psicologia chama de transtornos, eles são bem presentes em minha vida, estão comigo desde a minha infância. Muitas pessoas elogiam minha presença, amizade e afeto, porém, não enxergo tais coisas em mim, na maioria das vezes vejo apenas os monstros, a Aline sendo "manipulada" por eles, vejo apenas crueldade. No ápice do meu desespero, após as acusações e condenações, percebo tudo muito límpido ao meu r…

Devaneios sobre o amor

Ninguém vem ao mundo pra amar duas vezes.
Sou uma mulher moderna, com concepções progressistas, mas que não avançou muito no discurso amoroso. Eu não sei bem o que dizer sobre o amor, como ele é, como acontece. Mas é fato que eu não acredito que esse burburinho sobre afetos entre dois seres pode ser chamado de amor.  Aprendi com Jane Austen que ele ultrapassa barreiras, está para além das convenções. Shakespeare me mostrou que ele supera a própria vida. Com ela aprendi que o amor é construção. Com meus erros aprendi que ele não é suficiente se algo te faz perder a razão. Ninguém ama duas vezes, ninguém acredite nessa loucura. É demasiado romântico pensar, mas o que é que tem?  As pessoas perderam o romance, acham piegas. Os livros acadêmicos emburrecem o amor, a tecnologia o esfriou...
Parece que o amor está fora de moda. É cômico amar, é até vergonhoso para quem ama. Eu já tive minha chance no amor, e por muito quis ser o amor desse amor, mas nem tudo na vida é fácil. Às vezes sua …