Pular para o conteúdo principal

Quem sabe do amor (Part. II)

- Dandara, você é tão misteriosa.

- Você que vê mistério em tudo, querido Ruslan.
- Será o mistério uma característica do amor?
- Não sei, mas li em livro que o mistério torna a vida mais excitante,  concordo com Wilde.
A vida quando exposta demais, perde o encanto. Faz parte da curiosidade a caçada, procurar é algo cálido. A descoberta é fascinante, mas se mostro tudo, acabo a caçada. E uma caçada findada, é uma aventura passada.
- O que você sugere, então? Vocês mulheres sempre querem manter o mistério.
- Não concordo contigo, conheci mulheres pouco misteriosas e homem misteriosos demais.
Algumas pessoas preferem guardar silêncio, outras costumam ser transparentes em tudo que fazem. Eu, por exemplo, procuro ser sincera, pois, ser misteriosa é diferente de omitir alguma informação.
- Dandara, pare com essa confusão! Você já colocou mais conceitos, e eu só quero saber se o mistério é uma característica do amor!
- Calma, Ruslan. Eu só estou tentando esclarecer essa diferença entre silêncio e "omissão".
- Tudo bem, esqueça a omissão! Me fale sobre o mistério.
- Eu tenho medo de você. Às vezes você me trata como uma espécie de oráculo, eu não sei de tudo, Ruslan!
- Eu sei que você não sabe de tudo, mas você se aproxima das coisas que penso, concordo muito contigo.
- Ah,  gostas do conforto da convergência?
- Você não?
- Não sei,  Ruslan. Mas, essa coisa de mistério é complicada.  Sabe,  Wilde diz que torna a vida moderna excitante. Vejo isso como uma crítica velada e sutil.  Wilde faz isso tão bem!
- Você faz questão disso,  Dandara? Gostas do mistério? 
- Eu gosto, sou misteriosa em muitos momentos, mas não acredito que seja uma característica primordial para viver na sociedade moderna.  
Gosto de olhar as pessoas,  dizem que é minha principal característica.  Faz pensar... 
- O mistério não está ligado ao silêncio ou está?
- Não. O excesso. Ele é o contrário da exposição. Entendes?
Por exemplo,  você descobriu por acaso que toco vários instrumentos de corda e ficaste estupefato com a revelação. Nos aproximamos, pois, gostas da opera "La Traviata".
- Sim. Penso que Vendi retratou a vida de minha mãe ao compor está belíssima obra.
- Verdi era um homem misterioso, assim como Tchaikovsky.  Sabia? Ocorreu uma série de morte na vida de Verdi, em pouquíssimo tempo ele havia perdido toda sua família. Ficou um pouco recluso.  Mas não foi solitário,  pois tinha a melhor companhia que um homem pode ter. Ele teve a música, sua fiel companheira.  Mas sua vida foi regada de simplicidade e mistério.  
- Mistério é aquilo que nem todos sabem, só alguns?
- Não. É quase que oposto,  é o esconder-se de si mesmo dentro de si.  É deixar o café com gosto de café,  e não de açúcar.  É saber quem é o outro de tanto observar,  mas ainda perguntar sua opinião.  É mostrar 80% quando poderia mostrar 100. 
Ele torna o amor mais atraente,  mas não é uma característica deste primeiro. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma doce narrativa ofertada a mim

Aprendi com a doce e paciente voz da minha mãe - ao ler ao pé do meu ouvido, enquanto eu me enfronhava no quase adormecer e na atenção dada ao som da narrativa - que os contos, as poesias, as estórias são importantes para a imaginação. Sim! E como eram! Hoje, acredito que seja por isso que eu não gostava de contos de princesas ou qualquer narrativa que começavam com: Era uma vez, mesmo sendo uma criança, sem maturidade para consolidar um juízo de valor ou de gosto, eu acreditava que a estória era óbvia, que já teria um início, meio e fim, mesmo com esse: e assim foram felizes para sempre. Eu não me contentava, não me satisfazia, queria ir além daquelas linhas, queria ir além da voz da minha mãe, mesmo que seu olhar me acalentasse dizendo: "a estória acaba aqui e eles foram felizes, isso é o que importa".
Cresci, refutei, sonhei, imaginei... E a expectativa sobre o óbvio? Sobre o destino de ser feliz? Isso continuava a me perturbar, eu me sentia como uma navalha que deveria se…

Eu costumava sorrir em dias de sol

Sempre achei que aos 25 eu estaria morando na minha casa, vivendo do meu trabalho. Porém, a gente se engana na vida. Eu fracassei, é a sentença que ecoa em minha mente. A sociedade cobra muito da gente, e nosso meio familiar e social está inclinado a fazer essa cobrança. Contudo a conta é muito alta e o saldo é sempre inferior ao débito. Eu vivo sendo cobrada por todos. Ninguém está insento de me fazer tal cobrança, muitas vezes é tão espontâneo que eles e elas nem percebem. Os dias vão se arrastando e depois de ser tão questionada vou desenvolvendo monstros dentro de mim que a psicologia chama de transtornos, eles são bem presentes em minha vida, estão comigo desde a minha infância. Muitas pessoas elogiam minha presença, amizade e afeto, porém, não enxergo tais coisas em mim, na maioria das vezes vejo apenas os monstros, a Aline sendo "manipulada" por eles, vejo apenas crueldade. No ápice do meu desespero, após as acusações e condenações, percebo tudo muito límpido ao meu r…

É junho

Mesmo que o poeta tenha me pedido pra deixar Junho para São João, eu não posso deixar de lado minhas crises existenciais. Elas vêem, não importa a data. Há na minha mente um silêncio sepulcral. Minha visão torrencial transforma minha existência em pequenos fragmentos de quem desejei ser, parece que meus lábios não desejam o delicioso gosto de um milho verde. Parece que depois de 25 anos ele só almeja um café amargo. Parece que tudo invade meu corpo como demônios que se alojam sem pedir licença. Muitos viajantes pararam nesta estalagem, porém nenhum quis transformá-la em lar. É difícil fazer morada em um corpo apodrecido. Não há nada nem ninguém que não tenha se aquecido em meu templo moribundo desejando tirar a pouca doçura que tinha. Todos se aproximam, todos dizem amar este lar, mas poucos o vêem assim, não passo de um ser intrigante cuja existência complexa desperta a curiosidade de mentes depravadas e cruéis. Tu és mais um ser que se aproximasse para me observar, medir, pesar, jul…